FUMAS | http://fumas.jundiai.sp.gov.br

Professor Luiz Biela de Souza

Principal atividade ou função histórica: Educacional
Nascimento: 01/03/1910
Sepultamento: 19/07/1978
Localização: Quadra 03
Descrição do jazigo: Sepultura revestida de argamassa.

Dados biográficos e menção histórica:

Professor e maestro, Luiz Biela de Souza era filho de mestre de banda e foi educado para a música desde os primeiros anos de vida, tendo aulas de violino com o pai. Aos 5 anos de idade, participou de um concerto público em Jaú, interior paulista. Aos 16 anos, lecionava violino no Colégio do Carmo, e também dava aulas particulares em Itu. Já então ganhava bons honorários orquestrando, harmonizando músicas para piano e tirando músicas de discos para jazz-band.

Em 1941, casou-se com Geni Gil Biela, e veio em 1949 para Jundiaí, atuando no Magistério Secundário e Normal, após concurso prestado para a cadeira de Canto Orfeônico, no qual foi classificado em 1º lugar entre 122 candidatos. Fixou em Jundiaí sua cadeira no Colégio Estadual e Escola Normal, ao mesmo tempo que passava a lecionar, também, no Conservatório de Canto Orfeônico de Campinas.

Em 1950, tornou-se diretor do Conservatório de Canto Orfeônico Maestro Julião, da Universidade Católica de Campinas. Nesse mesmo ano, recebeu do presidente da República, Eurico Gaspar Dutra, o título de Comendador da Ordem de Ruy Barbosa. Em 1957, lecionou música na Universidade da Califórnia (UCLA). Retornou ao Brasil em 1960, a convite do Ministério de Educação e Cultura, para realizar uma série de conferências e seminários de Educação Musical em várias capitais brasileiras.

Autor de cinco livros didáticos e pedagógicos e de mais de 250 obras musicais, abrangendo temas folclóricos, datas cívicas e festinhas, hinos dedicados a escolas, cidades e religiosos, Luiz Biela de Souza é citado em várias publicações especializadas como o Dicionário de Música e o livro Curiosidades Musicais, de Alice Pagano, e também na obra “Brasil: O Brasileiro de Hoje”, publicada pelo Ministério de Educação e Cultura, em 1961.